Cícero Lucena dá passo inicial em intervenções que incluem habitações da Beira Rio e plano para descarbonizar a cidade

 

Novas iniciativas estão em andamento na cidade de João Pessoa no que se refere a setores como a habitação, a sustentabilidade ambiental e a geração de emprego e renda. Isso foi possível com a assinatura de uma série de contratos e ordens de serviço pelo prefeito Cícero Lucena e pelo vice-prefeito Leo Bezerra, o que aconteceu na manhã desta quinta-feira (1°), no auditório do Sinduscon-JP, como parte do programa João Pessoa Sustentável. As intervenções incluem a construção de condomínios nas comunidades que margeiam a Beira Rio, além de um plano para reduzir a zero a emissão de carbono na cidade.

“Temos mapeado e identificado as ações que precisamos fazer e vamos avançar neste sentido. Estamos avançando na ampliação das nossas áreas de parque e do verde, na política de redução de Carbono, não só chegando ao zero, mas obtendo crédito, na oferta de habitação de qualidade, de iniciativas com tecnologia para tornar a gestão mais eficiente e sustentável, enfim. São diversas ações que estão sendo implementadas para fazer desta cidade mais moderna, eficiente, sustentável e, o mais importante, pronta para dar uma vida melhor para quem nela vive”, afirmou o prefeito.

Foram assinados os contratos do Plano de Descarbonização e Ações Climáticas, da Planta Genérica de Valores do Município (PGV) e dos estudos e projetos de recuperação ambiental do Lixão do Roger. Também foram dadas ordens de serviço para a elaboração e implantação do Plano de Desenvolvimento Comunitário (PDC) e dos projetos de construção dos habitacionais do Complexo Beira Rio. Todos integram o Programa João Pessoa Sustentável e somam investimentos de mais de R$ 34 milhões.

O coordenador geral da Unidade Executora do Programa João Pessoa Sustentável, Antônio Elizeu, destacou que este é um programa do cidadão. “É feito para as pessoas, principalmente as comunidades tão prejudicadas. Vamos fazer de João Pessoa uma cidade sustentável, desenvolvida, diminuir a poluição e gerar qualidade de vida. Peço a contribuição de todos para fazer uma cidade melhor”, afirmou.

Habitação – Serão construídos três conjuntos localizados próximo às oito comunidades da Beira Rio. As 565 unidades habitacionais vão ser destinadas aos moradores que vivem em área de risco. Os apartamentos terão 1, 2 ou 3 quartos e vão ser distribuídos de acordo com a necessidade de cada família que vai passar por um recadastramento.

Há outras possibilidades de reassentamento, como a compra assistida para quem deseja mudar para outra área da cidade de acordo com a avaliação de seu imóvel; troca de beneficiário; indenização e reassentamento rotativo. Este último é voltado para quem vive em casas com risco de desabamento, mesmo que não estejam em áreas de alagamento ou deslizamento. Nesse caso, o imóvel vai ser reconstruído no local.

Plano de Descarbonização – A meta do programa é zerar a emissão de Carbono na cidade. Para isso, o Plano vai trazer uma análise de riscos climáticos (com projeções para os anos de 2030, 2050 e 2100), e as pegadas carbônica e hídrica do município. Com esse levantamento será possível adotar medidas de enfrentamento e resiliência às mudanças climáticas. Esse Plano é também uma ferramenta importante na definição do roteiro de descarbonização da economia, criação de empregos, inovação e melhoria da qualidade de vida do cidadão.

PDC – Plano de Desenvolvimento Comunitário é baseado nos pilares da sustentabilidade ambiental, inclusão de gênero, geração de trabalho e renda e no combate à desigualdade. O PDC vai instalar quatro Escritórios Locais de Gestão (ELOS) nas comunidades com equipe multidisciplinar para o desenvolvimento de ações voltadas para o empreendedorismo, associativismo e cooperativismo, qualificação profissional e acesso ao mercado de trabalho, respeitando, sempre, as vocações do território com inclusão de gênero e enfrentamento da violência contra a mulher.

Lixão do Roger – O antigo depósito de lixo vai passar por um processo de requalificação. A ideia é transformá-lo em um Parque Socioambiental de 309.496 metros quadrados de área, mas para que esta recuperação ambiental seja feita, é preciso fazer um diagnóstico dos níveis de contaminação do solo, usado de forma inadequada por cerca de 45 anos.

PGV – A Planta Genérica de Valores (PGV) traz um mapeamento urbano da cidade com todas suas características espaciais, o que é fundamental para o conhecimento territorial cidade e para fazer justiça tributária. Junto com a PGV vão ser feitas a atualização cartográfica, cadastro imobiliário o levantamento de toda infraestrutura e serviços públicos do município como água, estacionamentos, esgoto, iluminação, rede elétrica, coleta de lixo, arborização e muito mais. A Prefeitura também vai atualizar os sistemas de informações geográficos para que todas as informações sejam compartilhadas com a sociedade.

O programa – O João Pessoa Sustentável está previsto para ser executado até 2024 e foi feito com base no diagnóstico dos problemas da cidade. Por isso mesmo, traz soluções para o enfrentamento de cada um deles de modo que a Capital paraibana cresça de forma planejada, combatendo as desigualdades, otimizando o uso do solo e a competitividade da economia. Há uma série de ações essenciais, 60 ao todo, com um investimento total superior a R$ 1 bilhão, metade dos recursos é financiada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Também participaram do evento os secretários municipais do Planejamento, José William Montenegro; e da Gestão Governamental, Diego Tavares; o superintendente da Sudema, Marcelo Cavalcanti, e o presidente do Sinduscon-JP, Wagner Breckenfeld.


Secom-JP



FALA PARAÍBA-BORGES NETO

Comentários