JP tem assistência para cuidado com a saúde mental e prevenção ao suicídio

 


Em João Pessoa, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan Net) e do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), 323 pessoas tentaram tirar a própria vida em 2022; 18 faleceram. Neste sábado (10), é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, mas a iniciativa acontece durante todo o ano, dentro da política de promoção à saúde mental, prevenção e combate ao suicídio da Prefeitura de João Pessoa.

A Rede de Atenção Psicossocial (RAPs) garante assistência especializada à população durante todo o ano, com o tema sendo debatido e os cuidados sendo ofertados além do setembro amarelo.

“O setembro amarelo é uma campanha importantíssima e que traz visibilidade para o cuidado com a saúde mental e a luta que tantas pessoas enfrentam, mas é sempre bom lembrar que casos de depressão e suicídio acontecem durante todo o ano, por isso nossa rede é estruturada para prestar essa assistência independente da data”, destaca o coordenador da área técnica de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Jean Paulo Dantas.

Dentro da política de saúde mental, os atendimentos acontecem em diversos serviços da SMS, desde as Unidades de Saúde da Família (USF), passando pelo atendimento especializado nas Policlínicas e Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), terapias alternativas nos Centros de Práticas Integrativas e Complementares (CPICS), atenção hospitalar e serviços de urgência e emergência como o Pronto Atendimento em Saúde Mental (Pasm).

O primeiro atendimento, para ter acesso a toda rede de saúde mental, pode ser realizado na Atenção Básica, por meio das equipes de saúde da família, reconhecendo as necessidades da população e mantendo o diálogo com a Atenção Especializada e Rede de Urgência e Emergência. Assim, são realizados os encaminhamentos necessários para os serviços adequados para receber cada pessoa. Já nas policlínicas municipais, a população tem acesso a acompanhamento psicológico, psiquiátrico e neurológico, encaminhado pelas USFs.

Para acolhimento e atendimento de pessoas com depressão, a Prefeitura inaugurou há pouco mais de dois meses o Centro de Referência do Cuidado à Vida, localizado no bairro dos Bancários. Lá, o atendimento acontece por demanda espontânea de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, sendo possível receber um atendimento multiprofissional com médico psiquiatra, psicólogo, assistente social, terapeuta ocupacional, enfermeiro, farmacêutico e nutricionista, além de participar de grupos terapêuticos de combate à depressão. A assistência recebida pelo paciente é determinada através de triagem.

Nos Centros de Práticas Integrativas e Complementares à Saúde (CPICS), os usuários têm acesso a terapias que buscam estimular a prevenção e recuperação da saúde de forma natural, sem a necessidade de medicação, através da integração do ser humano com o meio ambiente e sociedade.

A rede municipal conta com CPICS Equilíbrio do Ser, nos Bancários, e Canto da Harmonia, no Valentina Figueiredo. Para ter acesso às terapias disponibilizadas, o cidadão pode ser encaminhado por sua unidade de referência ou procurar um dos dois serviços diretamente, portando os documentos pessoais (RG, CPF, cartão SUS e comprovante de residência).

A fim de acolher pessoas com transtornos mentais persistentes ou que fazem uso abusivo de substâncias psicoativas a Rede de Atenção Psicossocial dispõe de quatro Centros de Atenção Psicossocial (Caps). Nos Caps, o atendimento pode ser de forma espontânea, procurando diretamente o serviço, ou encaminhado pelas unidades de saúde da família.

“Os Caps substituem a internação psiquiátrica, buscando a reinserção social através do tratamento. Nos centros, os pacientes recebem acompanhamento médico e psicológico, além de participar de oficinas, grupos terapêuticos, atividades esportivas e culturais com a finalidade de integrá-los em um ambiente social e cultural junto às famílias”, explica Jean Paulo Dantas.

Os Caps Gutemberg Botelho e Caminhar oferecem cuidados para pessoas com sofrimento ou transtorno mental severo e persistente. Já o Caps Ad David Capistrano atende pessoas com sofrimento mental em decorrência do uso prejudicial de álcool e outras drogas. Enquanto o Caps Infanto Juvenil Cirandar atende crianças e adolescentes, de três até 18 anos incompletos, que apresentem transtornos psicóticos, neuróticos ou sofrimento mental em decorrência do uso de álcool e outras drogas.

Em casos de crise, a SMS disponibiliza atendimento de urgência e emergência no Pronto Atendimento em Saúde Mental (Pasm), anexo ao Ortotrauma de Mangabeira, referência para atendimento adulto e, o Hospital Municipal do Valentina para o atendimento de crianças e adolescentes, além do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência de João Pessoa (Samu-JP).

A RAPS do município é composta ainda por uma Unidade de Acolhimento Infantil (UAI), duas residências terapêuticas e leitos em hospitais gerais (adulto e pediátrico).

Outros números – De acordo com a última pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), são registrados mais de 700 mil suicídios em todo o mundo. No Brasil, os registros se aproximam de 14 mil casos por ano, ou seja, em média, 38 pessoas cometem suicídio por dia.

Ainda de acordo com a OMS, 322 milhões de pessoas no mundo sofrem de depressão. No Brasil, são mais de 11 milhões de casos. A pesquisa Vigitel de 2021 indica que, em média, 11,3% dos brasileiros foram diagnosticados com depressão, entre setembro de 2021 e fevereiro de 2022 e que os altos índices de depressão na pandemia estão relacionados, entre outros fatores, ao luto.

Na Capital, do início do ano de 2020 até o final de julho deste ano, foram registrados 104 óbitos por lesão autoprovocada intencionalmente. Já para tentativas de suicídio os números chegam a 1.164 casos. Os números são do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan Net) e do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM).

Os dados indicam ainda que os óbitos por lesões autoprovocadas são mais comuns entre os homens. Das 18 pessoas residentes em João Pessoa que tiraram a própria vida no período de janeiro a julho deste ano, 15 eram do sexo masculino e 3 do sexo feminino. Por outro lado, as tentativas de suicídio são mais frequentes com mulheres. Do total de 323 tentativas no mesmo período, 227 foram cometidas por pessoas do sexo feminino enquanto 96 do sexo masculino.

Setembro Amarelo – Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria, em parceria com o Conselho Federal de Medicina, organiza, em todo território nacional, o Setembro Amarelo. É a maior campanha antiestigma do mundo e, neste ano, o lema é ‘A vida é a melhor escolha!’.

Confira os endereços dos serviços:

CPICS Equilíbrio do Ser:

Rua João Batista Maia, s/n, Bancários.

Telefone: (83) 3214-2921

CPICS Canto da Harmonia:

Rua Ulisses Alves Pequeno, s/n, Valentina Figueiredo.

Telefone: (83) 3218-5873

Caps Gutemberg Botelho:

Avenida Minas Gerais, nº 409, Bairro dos Estados.

Telefone: (83) 3211-6700

Caps Caminhar e Centro de Referência do Cuidado à Vida:

Rua Paulino Santos Coelho, s/n, Jardim Cidade Universitária

Telefone: (83) 3218-7008

Caps AD David Capistrano:

Av. José Soares, s/n, Varjão.

Telefone: (83) 3218-5244

Caps Infanto Juvenil Cirandar:

Avenida Gouveia Nóbrega, s/n, Roger.

Telefone: 3214-3333

Pronto Atendimento em Saúde Mental (PASM):

Rua Agente Fiscal José Costa Duarte, s/n°, Mangabeira. Em prédio anexo ao Complexo Hospitalar de Mangabeira.

Telefone: (83) 3218-9727

Hospital Municipal Infantil do Valentina:

Av. Mariângela Lucena Peixoto, Valentina de Figueiredo

Telefone: (83) 3218-9404

MaisPB


FALA PARAÍBA BORGES NETO 

Comentários