MEC divulga nesta terça-feira segunda chamada do Prouni


Polêmica: prefeitura de Taperoá proíbe trio elétrico e carros de som no carnaval e caso pode parar na justiça

 




O clima de festa e animação típico do carnaval está prestes a ser afetado na cidade de Taperoá, localizada no interior da Paraíba. A prefeitura municipal emitiu um decreto proibindo a participação de trio elétrico e carros de som nos desfiles carnavalescos, uma medida que tem gerado grande polêmica entre os moradores e os organizadores de blocos e festas populares.

Segundo o decreto, apenas os trios e carros de som contratados pela própria prefeitura serão autorizados a participar dos desfiles de carnaval, o que na prática monopoliza o uso desses equipamentos pela gestão municipal. Essa restrição tem sido duramente criticada pela comunidade local, que enxerga na medida uma tentativa de centralizar e controlar as atividades carnavalescas em benefício da prefeitura.

A proibição dos trios elétricos e carros de som no carnaval de Taperoá também levanta questionamentos sobre a liberdade de expressão e a diversidade cultural, princípios constitucionais que podem estar sendo desrespeitados pela medida. O carnaval é uma festa popular que abrange uma ampla variedade de manifestações culturais, e a exclusão dos trios e carros de som particulares dos desfiles pode limitar a participação de grupos independentes e comprometer a pluralidade do evento.

Em meio à controvérsia, diversas vozes da sociedade civil têm se manifestado contra o decreto municipal, defendendo a livre expressão e a diversidade cultural como valores fundamentais a serem preservados no carnaval de Taperoá. Além disso, há quem questione a legalidade da medida e sua compatibilidade com os princípios democráticos e constitucionais que regem a administração pública.

Toinho Patativa, responsável pelo Bloco do Matuto, manifestou-se pelas redes sociais contrário ao decreto. “Espera-se que a prefeitura de Taperoá reavalie sua decisão e promova um diálogo aberto e democrático com os diversos segmentos da sociedade envolvidos no carnaval, buscando encontrar soluções que garantam a participação de todos de forma justa e equitativa. Afinal, o carnaval é uma celebração popular que pertence a toda a comunidade e deve ser organizada de forma inclusiva e participativa, respeitando-se a diversidade de expressões culturais e promovendo o espírito de união e fraternidade entre os moradores de Taperoá”, comentou.

Representantes da cultura popular prometem buscar a justiça para garantir o carnaval dos taperoaenses.

PB AGORA



FALA PARAÍBA-BORGES NETO

Comentários